quarta-feira, 25 de maio de 2011

Paixão: Helena


Segue uma das antigas:

Helena de Papai


                Conta a mitologia Grega que Helena era filha de Zeus, o deus supremo, e esposa de Menelau, irmão do rei de Micenas: Agamenon. Conta também que ela adquiriu a alcunha Helena de Tróia após ter sido raptada pelo príncipe de Tróia, Páris, o que provocou a famosa guerra dos 10 anos. Depois de sangrentas batalhas com vítimas famosas como Heitor, irmão de Páris, e de Aquiles, famoso por seu frágil calcanhar, a guerra teve fim com o não menos famoso episódio do cavalo de Tróia e a destruição total da cidade grega. Helena voltou para Micenas com seu marido e depois foi assassinada por uma serva, o que não vem ao caso neste instante. O que sempre me impressionou nesta lenda toda é que uma mulher possa ter provocado a maior guerra da Antiguidade, sendo contada em verso e prosa pelo poeta Homero em a Ilíada e a Odisséia. Tudo bem que ela era considerada a mais bela das mulheres e que no fundo o que os senhores da guerra pretendiam era dominar a cidade de Tróia e unificar o reino grego. Mas fica sempre esse lado lúdico e romântico de que o amor de um homem por uma mulher pudesse ter provocado uma guerra. E assim ela ficou conhecida.

       Como sempre vocês devem estar se perguntando onde quero chegar com toda essa história. Pois vou dizer. Hoje de manhã levantei em meu horário de costume e deixei dormindo em minha cama mãe e filha que tinham travado uma batalha a noite inteira para saber qual das duas dormia menos, ou qual sentia mais falta uma da outra. Fiz o café da manhã caprichado, como de costume às sextas-feiras, e comecei a me aprontar para sair. Foi quando me recordei de que naquele dia 25 de agosto era o primeiro aniversário de Helena, não a de Tróia, mas a de papai, que dormia profundamente após sangrenta batalha. Não resisti e com a ajuda de minha esposa fizemos uma tentativa de acordá-la para tentarmos cantar parabéns, mesmo sabendo que ela não entenderia o porquê dos ânimos exaltados. Foi quando aquela criança, ainda sonolenta, abriu um lindo sorriso de cinco dentes, e começou a fazer manha pedindo agrado, o que eu prontamente satisfiz. Naquele momento entendi que aquele sorriso de Helena realmente poderia levar qualquer homem à guerra, quer durasse 1 dia, 10 anos ou toda uma vida.  Entendi que o amor de pai para filha é algo incomensurável e incontrolável e que se ela estava completando um ano e eu já estava rendido, o que seria de mim quando ela fizesse 20 anos? Estaria morto e seco de amor. Seco a observá-la acordar toda manhã e sorrir recebendo mil beijos de seu pai que a ama profundamente. Tirei uma foto dela e de sua mãe de recordação com seus cabelos bagunçados. Uma foto que vai entrar para a história, não da mitologia grega, mas a história de um homem, seu pai, que nunca mais será o mesmo depois daquele sorriso.


Feliz primeiro aniversário minha filha.    


Goiânia, 25/08/2006

<-------- essa é a responsável

4 comentários:

  1. Que texto lindo! =) Que filhota linda!

    ResponderExcluir
  2. A Helena é linda mesmo!

    Mas quero ver a reação do pai quando os marmanjos estiverem brigando por ela!..... heheh.

    Grande abraço!

    ResponderExcluir
  3. Amor de Tia também é incomensurável e incontrolável!!! Amo demais essa gostosa!! Helenilda da Tani!!!!!

    ResponderExcluir
  4. Todos sabem que a Helena é a minha paixão!

    ResponderExcluir